Cervos do Pampas Safari foram mortos? Imagens revelam valas e urubus

Por Gelcira Teles*

Muitos urubus voam sobre o Pampas

Fotos divulgadas no Facebook, hoje, 26, sugerem que todos os cervos do Pampas Safari, situado em Gravataí, RS, foram mortos. Imagens aéreas de valas e urubus podem confirmar o fato. O Repórter Animal apurou que residentes próximos ao parque têm feito visitas diárias em diversos horários, sem conseguir avistar os cervos. “Só vi três camelos”, disse uma das pessoas.

Valas no Pampas

Também chegou ao conhecimento da página que um representante do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), presente em curso sobre apreensão de animais silvestres na semana passada, estaria alardeando que a Justiça Federal autorizou a matança dos cervos. Este funcionário do Ibama ainda teria debochado dos ativistas e qualificado as ações em defesa dos animais como “palhaçada”.

ENTENDA O CASO
Desde o dia 22 de agosto de 2017, quando dois integrantes do Partido ANIMAIS descobriram que 24 de 400 cervos estariam sendo abatidos em lotes (com tiros de pistola pneumática), informando imprensa e parlamentares simpáticos à causa, ativistas se mobilizaram para defender os animais. A autorização para o sacrifício dos cervos partiu do Ibama  e da Secretaria Estadual da Agricultura e do Meio Ambiente, com a justificativa de suspeita de surto de tuberculose bovina. Os defensores dos animais realizaram ato em frente ao Ibama, entregaram manifesto à Promotora de Meio Ambiente de Gravataí, Carolina Barth, no dia 25, e fizeram vigílias e atos em frente ao parque por mais de um mês. Entre outras ações, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável(CMADS) da Câmara dos Deputados realizou audiência pública para tratar do caso no dia 28 de novembro.

“PICANHA, FILÉ E ALCATRA”, DEFINE A FAMÍLIA FEBERNATI SOBRE O DESTINO DOS ANIMAIS DO PAMPAS 

Insensíveis diante da comoção causada pela decisão de exterminar cerca de 400 cervos que habitam o Pampas Safári, desativado em novembro de 2016, advogados dos proprietários foram taxativos durante a audiência de conciliação, realizada no dia 17 de outubro: “Para nós, eles não passam de picanha, filé e alcatra”.

Segundo relato da deputada Regina Becker (Rede), autora da ação que visava deter o assassinato dos cervos, os donos do parque alegam que os animais valem, depois de mortos e vendidos a restaurantes, em torno de R$ 4 milhões. Para os ativistas, porém, suas vidas não podem ser reduzidas a números.

TESTES NEGATIVOS
Os 20 testes, feitos pelo Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF), sob supervisão da Fundação de Meio Ambiente de Gravataí (FMMA), tiveram resultado negativo para tuberculose. Entre os 24 animais abatidos, quatro fêmeas estavam no final da gestação. De acordo com informações apuradas pelos ativistas, dez animais morreram de ataque cardíaco antes de serem transportados para o abate. Outros 350 testes feitos até dezembro de 2016 também foram negativos.

40 ANOS DE EXPLORAÇÃO
Conforme o site do Pampas Safari Parque de Animais Selvagens Ltda., o empreendimento do Grupo Febernati foi fundado há 40 anos. Autointitulado “o maior safari da América do Sul”, tem área de 320 hectares e mantinha cerca de 2.000 animais (camelos, zebras, lhamas, cervos, antílopes, búfalos, hipopótamos, cisnes, emas, flamingos, cágados, pavões, macacos, capivaras, antas, entre outras espécies exóticas e nativas).  Alvo de fiscalização e processos desde 2013, o parque encerrou suas atividades em 2016. O Ibama calcula que o local abrigue hoje cerca de 500 animais, embora o representante do órgão tenha afirmado à imprensa local nunca ter recebido laudos completos sobre o número de animais presentes. Dados dos processos apontam indícios de descaso sanitário e ambiental da administração do Pampas Safari no controle de doenças, alimentação e reprodução dos animais há mais de 10 anos. Cervos e outros animais originários do parque eram abatidos para consumo humano.

Gelcira Teles, com informações e fotos de Jackson Müller, Marcia Becker Gustavo Gattino 

1 Comment

  1. E ops “POLÍTICOS” de carteirinha, que no afã da causa e da discussão, se mobilizaram na época, com fotos e desfiles, o que fizeram de prático e de útil? Ah, já sei, as eleições terminaram em Outubro passado. O resultado só poderia ser este mesmo. LAMENTÁVEL E TRISTE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *