RS quer fim da exportação de boi vivo

Por Gelcira Teles

O diretor executivo do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Rio Grande do Sul (Sicadergs), Zilmar Moussalle, afirma que as exportações de gado vivo são prejudiciais para o mercado de trabalho brasileiro e para a indústria. “Essas exportações não geram empregos, prejudicam os frigoríficos e também setores como o de couro e farmacêutico, que dependem da matéria-prima da pecuária”, disse em nota. Com um posicionamento contrário ao de outras entidades do setor, o Sicadergs é favorável ao Projeto de Lei 31/2018, do deputado Feliciano Filho (PRP),  que “proíbe o embarque de animais vivos no transporte marítimo e/ou fluvial, com a finalidade de abate para o consumo, no Estado”.

Nesta semana, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) divulgou nota de repúdio ante a decisão do governador de São Paulo, Márcio França (PSB), de apoiar o projeto. O comunicado informava que a SRB tinha o apoio de outras entidades do setor, dentre elas a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon) e a Associação Brasileira dos Exportadores de Gado (Abeg).

Projeto de Lei 31/2018

A votação do Projeto de Lei 31/2018 está marcada para ocorrer hoje, 26 de junho, às 16h, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Luiza Mell e Nina Rosa, entre outros ativistas de SP, prometeram lotar a Alesp. Veja abaixo a chamada da Nina Rosa:

Em reunião com cerca de 40 ativistas no dia 19 de junho, Cauê Macris (PSDB), presidente da Alesp, se comprometeu em colocar o PL na pauta do dia 26. Desde então, os defensores dos animais estão percorrendo diversos gabinetes e lideranças dentro da Alesp a fim de firmar o compromisso deles para com os animais, sendo que 42 deputados confirmaram que votarão a favor do PL 31/2018:.

  1. Carlos Giannazi – PSOL
  2. Raul Marcelo – PSOL
  3. Caio França – PSB
  4. Orlando Bolçone – PSB
  5. Rafael Silva – PSB
  6. Coronel Camilo – PSD
  7. Marta Costa – PSD
  8. Cezinha de Madureira – PSD
  9. Rita Passos – PSD
  10. Celso Nascimento – PSC
  11. André do Prado – PR
  12. Pedro Kaká – PODE
  13. Leci Brandão – PCdoB
  14. Rogério Nogueira – DEM
  15. Edmir Chedid – DEM
  16. Vaz de Lima – PSDB
  17. Célia Leão – PSDB
  18. Cássio Navarro – PSDB
  19. Marcos Zerbini – PSDB
  20. André Soares – PSDC
  21. Clélia Gomes – AVANTE
  22. Roberto Tripoli – PV
  23. Chico Sardelli – PV
  24. Beth Sahão – PT
  25. Alencar Santana Braga – PT
  26. Ana do Carmo – PT
  27. Carlos Neder – PT
  28. Enio Tatto – PT
  29. Geraldo Cruz – PT
  30. José Zico Prado – PT
  31. José Américo – PT
  32. Luiz Fernando – PT
  33. Luiz Turco – PT
  34. Marcos Martins – PT
  35. Márcia Lia – PT
  36. Professor Auriel – PT
  37. Teonilio Barba – PT
  38. Roque Barbiere – PTB
  39. Padre Afonso – PV
  40. Fernando Capez – PSDB
  41. Coronel Telhada – PP
  42. Carlos Cezar – PSB

Nada

A exportação de animais vivos passou a chamar a atenção da imprensa e da sociedade em geral, depois que o navio Nada, com 27 mil bois da Minerva Foods, com destino à Turquia, chegou a ser impedido de sair do Brasil pela Justiça em fevereiro de 2018. Mais de 500 ativistas pelos direitos dos animais protestaram no Porto de Santos enquanto o navio recebia os bois. A ONG Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal entrou na Justiça para impedir que o navio deixasse o país, alegando que os animais estavam sofrendo maus tratos, sendo que processo segue na Justiça.

Além da veterinária Magda Regina e equipe, o biólogo Frank Alarcón, integrante do Instituto Luisa Mell, da Cruelty Free International e porta-voz do Partido ANIMAIS, também vistoriou a embarcação.

“Posso resumir o que vi em uma frase: um inferno na terra”, disse à BBC. “Cada animal tinha 1 m² de espaço, e você sabe que um boi tem mais do que isso. Eles estavam mergulhados nas fezes, no vômito, na urina. Alguns se deitavam em cima de outros”, afirmou .

* Gelcira Teles é jornalista. Com informações de Alesp, BBC, Estadão, pecuária.com.br e Olhar Animal.

Foto: Magda Regina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *